Site Desenvolve Vale - 09/01/2020

Mapa da Economia Paulista destaca diversificação industrial e polos de inovação como pontos fortes da RMVale

A Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, a RMVale, aparece com destaque no Mapa da Economia Paulista, divulgado pelo Desenvolve SP, que aponta a diversificação da indústria ao longo da Via Dutra como um dos trunfos da região.

A pesquisa cita a Embraer, DCTA e ITA ao ressaltar o moderno complexo aeronáutico, um dos maiores do mundo, assim como as atividades de refino de petróleo, produção de automóveis, papel e celulose.

Com R$ 113,2 bilhões de PIB (5,09% do total do estado) e 2.446.521 habitantes em suas 39 cidades, a região tem como setores estratégicos os combustíveis, material de transporte, bebidas, químico e metalurgia – que, juntos, concentram 63,5% dos empregos formais.

Desenvolve SP reuniu informações dos principais setores entre 2010 e 2017 para mostrar que os setores industrial e de serviços anunciaram US$ 11,2 bilhões em investimentos para a região.

A força da indústria

O Mapa da Economia Paulista também revela a importância das exportações de alta e média intensidade tecnológica, com a RMVale sendo referência na exportação de aviões, automóveis, partes de motores e geradores, acumuladores elétricos de chumbo, embreagens e suas partes para tratores, representando 17,3% do total do estado.

Segundo o Desenvolve SP, a indústria de alta tecnologia foi responsável por 47,7% das exportações da região em 2016 (no estado, a porcentagem média foi de 12,5%).

Abrangendo 8 dos 12 polos de desenvolvimento criados pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, a região tem como uma de suas forças os aglomerados produtivos de veículos e carrocerias (São José dos Campos, Igaratá, Taubaté e Caçapava), de outros equipamentos de transporte (São José dos Campos, Jacareí, Taubaté, Santa Branca e Caçapava), plástico e borracha (Jacareí, Caçapava, Jambeiro, Canas, Lorena e Piquete).

A RMVale ainda aparece com bons índices de escolaridade nos empregos formais, com crescimento, em dez anos, de 55% para 64,4% nos empregos com níveis de ensino médio completo e superior incompleto.

Em relação ao IPRS (Índice Paulista de Responsabilidade Social) – índice criado para medir o grau de desenvolvimento humano dos municípios, que reflete a situação de cada um em termos de riqueza, escolaridade e longevidade –, apenas 13 cidades se enquadram nos Grupos 1 e 2, com melhores resultados.

Três municípios estão no Grupo 3 e outros 23 foram incluídos nos Grupos 4 e 5, com índices baixos nos itens pesquisados. O cenário reforça a disparidade que existe entre as cidades da região metropolitana.

Mais dados do Mapa da Economia Paulista

Oportunidades

A pesquisa detectou o DCTA, o ITA e o Parque Tecnológico de São José dos Campos como polos de oportunidades, além de outros cenários que podem favorecer as cidades.

Para o órgão, as exportações concentradas em média e alta produção ampliam as perspectivas produtivas, inclusive na apropriação de sistemas inovadores.

Além disso, outras oportunidades para a região são:

1 – o reaparelhamento das Forças Armadas e demandas internacionais tendem a impulsionar a indústria da defesa regional;

2 – a produção de novos modelos de automóveis pode reforçar o papel dessa indústria na economia;

3 – a ampliação do porto de São Sebastião viabiliza a atracação de navios de grande porte, inclusive cruzeiros marítimos;

4 – o término da duplicação da Rodovia dos Tamoios, com os contornos viários de Caraguatatuba e São Sebastião, facilita acesso ao porto e às praias do Litoral Norte;

5 – e a recente concessão do aeroporto estadual de Ubatuba pode intensificar o turismo regional.

Fraquezas e Ameaças

O estudo ainda mapeou situações prejudiciais ao desenvolvimento da região.

Entre as fraquezas identificadas, estão os conflitos e impasses nas relações de trabalho no setor automobilístico; a baixa densidade demográfica e nível de urbanização, com grandes áreas de conservação ambiental da Mata Atlântica na Serra da Mantiqueira; e a percepção que a maioria das cidades do “Vale Histórico” apresenta problemas de acesso e sofre com a concorrência do Litoral Norte.

Para o Desenvolve SP, outras ameaças se referem a uma cadeia produtiva aeronáutica vulnerável a políticas protecionistas, subsídios ou acordos comerciais, podendo haver substituição de fornecedores locais do setor aeronáutico; a indústria automobilística dependente de políticas de incentivo do governo federal; e o setor de petróleo dependente das políticas de preços de combustíveis do governo federal.

O que é o Mapa da Economia Paulista

O Mapa da Economia Paulista é um estudo inédito sobre os setores estratégicos do estado, com informações sobre as 16 regiões administrativas de São Paulo.

Os critérios de análise consideraram indicadores importantes ligados à competitividade regional, ao porte das empresas e ao dinamismo, além do Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS).

Um dos pontos que o Mapa da Economia Paulista revela é como os avanços da tecnologia impactam os setores produtivos da economia paulista e a relação direta entre investimentos em inovação e desenvolvimento socioeconômico.

O Mapa da Economia Paulista completo pode ser consultado em: www.desenvolvesp.com.br/mapadaeconomiapaulista

Link da notícia: http://desenvolvevale.com.br/mapa-da-economia-paulista-destaca-diversificacao-industrial-e-polos-de-inovacao-como-pontos-fortes-da-rmvale/