O que são fundos?

Fundos de Investimento em Participação (FIPs) são instrumentos financeiros criados para facilitar a injeção de capital de terceiros em empresas caracterizadas por seu forte potencial de crescimento.

Essa estratégia de retorno baseia-se na compra e venda de participação societária de empresas. Não se trata, portanto, de um modelo de dívida/financiamento, mas sim de um modelo de venda de participação. Na prática, o Fundo de Investimento injeta recursos para se tornar sócio de uma empresa, porque enxerga nela potencial de crescimento bem acima da média de mercado.

No futuro, a intenção do Fundo é vender sua participação na empresa, geralmente para um terceiro, visando obter retorno na diferença entre o preço de compra e de venda da participação societária adquirida na empresa investida.

No Brasil, todos os Fundos de Investimento são regulados pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Por lei, todo Fundo possui um Administrador Responsável, profissional que se atenta às normas reguladoras. Também é importante ressaltar a figura do Gestor do fundo, que recomenda a seus investidores quais empresas deverão receber recursos a partir de uma determinada estratégia de investimento e que irá acompanhar a vida da empresa até o final da sociedade formada, criando valor tanto para os investidores como para a empresa investida.

Quem são as empresas alvo?

No geral, os maiores atrativos para os gestores são empresas com:

  • Equipe de alto nível, com formação no setor de atuação, dispostos a crescer e mais do que isso, dispostos a crescer junto a um parceiro;
  • Modelo de negócio estruturado, ou seja, que já possua uma descrição da lógica de como criar, distribuir e capturar valor do produto/solução oferecido;
  • Mercado endereçado de grande porte e com potencial de rápida adoção do produto/solução proposto;
  • Produtos/soluções com consideráveis barreiras de entrada em relação a concorrentes.

Valor Agregado

As gestoras de investimento em participação mantêm contato estreito com as empresas investidas, auxiliando na aceleração do crescimento destas companhias diante dos desafios apresentados pelo mercado. Dentre as atividades desempenhadas em conjunto, destacam-se:

  • Garantia de boas práticas de governança corporativa e da eficácia do processo de tomada de decisões estratégicas;
  • Profissionalização da gestão através da contratação, se necessário, de CEO, CFO e equipe comercial, controlando a decisão sobre a terceirização de serviços de contabilidade e inserção de auditorias;
  • Melhoria do conjunto de processos de produção/prestação de serviços de cada empresa, com adequação aos marcos regulatórios necessários, eficiência na alocação de recursos, redução de custos e implementação de ferramentas de controle gerencial;
  • Apoio estratégico e monitoramento de tendências de mercado, no que diz respeito à oferta (efetividade das ações de marketing e venda, mapeamento e monitoramento de competidores) e demanda (observação sobre padrões de consumo, fidelização de clientes, aderência em nichos de mercado, dentre outros aspectos);
  • Apoio, através de sua rede de contatos, às áreas comerciais das empresas investidas, inclusive buscando possíveis sinergias entre as mesmas.

Como atrair um investidor?

Neste mundo competitivo, a melhor forma de atrair um investidor é apresentar quem é você e quem é sua empresa de forma mais clara e eficiente possível.

Para ajudá-lo, uma boa forma de mostrar o seu plano de negócio é uma apresentação resumida, mas focando sempre nos principais tópicos do que o investidor quer saber. Um bom instrumento é o pitch.

O pitch é uma apresentação sumária de no máximo 3 a 5 minutos, dinâmica e objetiva, que no mínimo deve esclarecer os seguintes pontos:

  • Qual é o produto/serviço a ser ofertado pela empresa;
  • Qual o mercado endereçado, quem são os clientes-alvo;
  • Quem serão os potenciais concorrentes;
  • Quais diferenciais tendem a fazer com que sua empresa prevaleça no mercado;
  • Qual é o plano/estratégia para conquistar o mercado em questão da forma mais rápida possível;
  • Quem serão os responsáveis por conduzir esta estratégia e porque estes têm capacitação suficiente para conduzir esta estratégia com excelência;
  • Por fim, qual o capital necessário para colocar toda esta estratégia em prática.